segunda-feira, 12 de março de 2012

10 Dicas para um Cinegrafista Freelancer




Cinegrafista  Freelancer  é  o  profissional  que  tem  registro  no  MTB  e  pode  atuar de maneira independente. Muitos cinegrafistas no exterior seguem esse caminho porque é mais rentável do que permanecer em uma emissora de TV. O freelancer pode ser contratado para matérias avulsas ou ganhar por job, ou seja, por trabalho fechado. Mas ele só será chamado se tiver um bom trabalho, uma rede de contatos e muitas vezes seu próprio equipamento.

O freelancer precisa então “vender” a sua pauta. Ou seja, ele é quem irá oferecer a matéria para a produtora ou emissora de TV e não o contrário. Em geral, o preço é fechado antes da captação, com o cinegrafista recebendo orientações sobre o que é essencial gravar, quem ouvir e como será conduzida a matéria.


10 DICAS PARA O CINEGRAFISTA FREELANCER

1. Se você está começando, provavelmente, não conhece o editor-chefe ou o responsável pela compra das imagens. Portanto, seu primeiro contato será com os produtores da pauta.

2. Não seja insistente, o produtor sabe que matéria interessa ao programa. Se houver recusa,procure verificar que tipo de assunto eles consideram relevante.

3. Em geral, as emissoras afiliadas cobrem uma extensão muito grande e não possuem equipes suficientes para produzir em todas as cidades. Se a emissora estiver distante mais de 100km de sua cidade, esta pode ser uma ótima oportunidade.

4. Uma boa pauta é sempre baseada em pesquisa. Verifique dados, pense em entrevistados, avalie que “especialista” deve ser ouvido. Em uma matéria sobre chuvas, por exemplo, você pode ouvir o meteorologista, a pessoa que planta e depende do clima e um representante do sindicato rural que vai dar números sobre o prejuízo causado pelas águas.

5. Para oferecer uma pauta você precisa dominar todas as etapas: produzir, gravar e editar (texto e vídeo). Se o material for para um telejornal, provavelmente você precisará dominar também o envio de imagens pela internet.

6. Se o material for factual, você gravará e enviará no mesmo dia. Portanto, atenção especial ao nome das pessoas, cargo e o que elas representam na matéria. Uma boa matéria depende de dados corretos e idôneos.

7. Ainda no caso de telejornais, anote o telefone das pessoas que forem entrevistadas. Muitas vezes o deadline é apertado, por isso, enquanto você envia as matérias, o produtor que está na redação pode ligar para o entrevistado e verificar as informações.

8. Dica de cinegrafista com anos de estrada: antes de sair verifique se está levando bateria, fita ou card, tripé, microfone, bloco de anotações e caneta.

9. Ser freelancer é uma maneira de melhorar seu portfólio, afinal, é mais fácil mostrar uma matéria que entrou no ar do que um amontoado de imagens e sonoras.

10. Ser frelancer também é uma oportunidade de criar sua rede de contatos e ser indicado para um freelancer maior, de semanas ou meses.
Como a maioria que entrou em contato possui equipamento, estou considerando que o freelancer vai começar com câmera própria. Agora, dependendo do valor que a emissora está disposta a pagar, é possível também alugar a câmera e oferecer a pauta.

Boa sorte!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Emerson Tchalian, Rede TV! Nordeste

Emerson Tchalian
Depois de cinco anos como bancário, ele abandonou o trabalho para iniciar a carreira na televisão. E a "brincadeira" já dura 16 anos. O paulistano Emerson Tchalian Ferreira, conhecido na TV apenas pelos dois primeiros nomes, é o entrevistado de hoje do blog.

Formado em jornalismo pela Universidade São Judas, em São Paulo, o profissional encara os desafios do dia-a-dia com seriedade. Autêntico, conta histórias engraçadas que já vivenciou, como a de um companheiro cinegrafista que não parava de rir em velórios.
Ávido por bons trabalhos, Emerson Tchalian foi o único repórter brasileiro presente nos Jogos Paraolímpicos do México, em 1999, quando a mídia, de modo geral, dava pouca importância ao evento. Na conversa, o jornalista ainda fala o que pensa do mercado de trabalho: "saturado".

Tchalian já trabalhou em diversas editorias e chegou até a ir a recantos esquecidos do planeta. Acompanhou a visita de oftalmologistas da Unifesp a um vilarejo "isolado do mundo", na Amazônia. Hoje, ele é editor-regional da Rede TV! Nordeste e mora na cidade considerada um dos grandes paraísos brasileiros: Fortaleza. Acompanhe o bate-papo.

Leandro Martins - O que achou do curso de graduação quando estudou jornalismo?
Emerson Tchalian Ferreira - O curso me apresentou as noções básicas do Jornalismo. Nos primeiros anos, confesso que muitas matérias não me despertaram nenhum interesse. Alegria mesmo foi o último ano, quando fomos para as aulas práticas. Aí sim deu para sentir o que viria pela frente.

LM - Você acredita que a faculdade prepara bem uma pessoa para o mercado de trabalho?
ETF - Não...acredito que a pessoa já nasce com potencial. Na verdade acredito em dons: para música, teatro, jornalismo...etc. A faculdade te dá noções básicas...e bem básicas!
Para encarar o mercado é preciso de muita força de vontade, disposição para a dura vida dura das redações e paciência para subir alguns degraus.

LM - Em quais empresas de mídia já trabalhou?
ETF - Minha primeira emissora foi o SBT-SP, onde trabalhei durante 3 anos no "TJ Brasil", na época comandado por Bóris Casoy. Depois fui para a TV Unifesp (Univ.Federal de SP), onde fui o primeiro repórter da tv e também apresentador de programas de saúde veiculados no CNU e na TV Gazeta-SP. Desde 2001, estou na RedeTV! Comecei como repórter esportivo, depois passei à editoria geral e agora, em Fortaleza, como editor-regional do Nordeste.

LM - Como é sua rotina hoje?
ETF - Foram 7 anos cobrindo esporte pela RedeTV!. Hoje me dedico à implantação da programação local da RedeTV! no Nordeste. Vamos produzir um jornal regional que será transmitido para todos os estados nordestinos. Já montamos a equipe e agora trabalhamos na parte estrutural e editorial. Minha rotina na tv começa na parte da manhã e só termina à noite... claro sem horário pra sair. Enquanto nosso jornal não vai ao ar, temos o desafio diário de buscar pautas de interesse nacional a serem exibidas no RedeTV! News e nos outros noticiários da RedeTV! Coordenar e manter a redação em ordem, com tudo funcionando bem, como se fosse uma engrenagem, também exige muito. Também sou responsável pelo jornalismo da RedeTV! em Salvador, na Bahia.

LM - O que já fez ou faz fora do esporte?
ETF - Já fui repórter de saúde. Foram 3 anos de muito aprendizado, vivenciando os dramas da saúde. Me deparei com cenas e situações que me fizeram repensar muitos conceitos. Os principais momentos foram a cobertura dos Jogos Paraolímpicos no México, em 99, quando as emissoras brasileiras ainda não se interessavam pelo assunto. E um documentário na Amazônia, também em 99, mostrando uma expedição de oftalmologistas da Unifesp num vilarejo esquecido em plena selva amazônica.

VIDA DE REPÓRTER: JORNALISTA GRAVA
PASSAGEM EM QUALQUER LUGAR, ATÉ NO MEIO DO MATO!

LM - Quando decidiu que ia trabalhar com mídia? Como foi que tudo aconteceu?
ETF - Nasci com o desejo de ser jornalista. E eu digo nasci porque essa é a única explicação. Ninguém na família passou nem perto da área de comunicação. Mas eu sempre fui apaixonado por jornalismo, televisão e rádio!!! (Nota do blogueiro: faço minhas as suas palavras!)

LM - Como foi seu início de carreira? Quais as principais dificuldades e obstáculos encontrados?
ETF - Depois de trabalhar 5 anos como bancário (Bradesco e Banco Bandeirantes) decidi que era preciso começar minha carreira na televisão. Não aguentava mais calcular faturas e fazer movimentações financeiras. Aliás, números não são o meu forte. Então, no terceiro ano da faculdade, descobri que um importante diretor de tv era um conhecido da família. Procurei ele e pedi uma chance, mesmo não sendo formado. Ele não parecia disposto a me receber. Então, certo dia, pedi para a secretária dele avisá-lo que eu estava faltando ao trabalho só pra conversar com ele na Vila Guilherme, antiga sede do SBT. Desse modo ele me recebeu e me deu uma chance na função de rádio escuta. Foi uma das maiores alegrias da minha vida e nunca tive privilégios pela indicação. Na emissora enfrentei muito preconceito, principalmente dos mais experientes, que não respeitavam as limitações de um jovem estudante. Mas superei todas as situações e aprendi com cada uma delas.

LM - Como avalia o mercado de trabalho na mídia hoje?
ETF - Hoje, com a multiplicação dos cursos, o mercado ficou saturado. Claro que não há vagas para todos que se formam. Mas a chegada das novas mídias abriu um pouco mais espaço neste disputado mercado. Quem tem talento e é persistente chega lá.

LM - Alguns jornalistas tornam-se amigos de fontes pela convivência. Você acredita que o jornalista ser amigo da fonte ajuda ou atrapalha o trabalho? Em que sentido?
ETF - É uma relação muito delicada e o ideal é evitar a amizade. O compromisso do jornalista deve ser com a notícia !!!

LM - Em algumas empresas de diversos setores existe sempre uma puxada de tapete. Você já se sentiu alvo de perseguição no meio? Sentiu-se traído?
ETF - Não... nunca! Pelo menos nada que mereça destaque.

LM - Como é cobrir um grande evento como a Copa do Mundo e as Olimpíadas? Dorme-se pouco e trabalha-se muito?
ETF - Nas Paraolímpiadas do México, em 1999, deu pra perceber que é exatamente isso. Você não tem tempo pra nada. Acorda, toma um rápido café e já vai para os locais de competição. Passa o dia inteiro atrás de personagens, histórias, curiosidades... depois organiza as informações, fecha o texto e... quando vê já chegou a hora de dormir. Mas só um pouquinho porque o outro dia já está pra começar.

LM - Quantas edições de cada uma você já cobriu?
ETF - Cobri as Copas do Mundo de 2002 e 2006 com reportagens no Brasil. E as Olimpíadas de 2004 e 2008  também à distância. Sempre pela RedeTV! O maior evento in loco foram os Jogos Paraolímpicos do México, em 99. Aliás, fui o único repórter da tv brasileira que cobriu o evento!

LM - Qual foi a maior emoção da sua carreira até hoje?
ETF - São 16 anos de carreira na televisão. As maiores emoções foram os Jogos Paraolímpicos do México e o documentário na Amazônia, experiências felizes que nunca vão se apagar de minha memória. Mas, os fatos tristes também emocionam. Jamais vou me esquecer do acidente da Tam, em 96, e dos Mamonas no mesmo ano. Vivi de perto essas duas tragédias.

LM - Cobrir outros esportes que não o futebol é mais fácil ou mais difícil?
ETF - Mais difícil. Porque o brasileiro, em geral, só acompanha o futebol. Os outros esportes ele assiste quando não tem opção. E é claro que é muito mais complicado falar sobre o que você não tem domínio. As regras do futebol, as polêmicas, as curiosidades, tudo isso o brasileiro sabe bem. Agora o que é set point, meia de rede, cem metros crawl, etc... isso poucos sabem! Claro que o jornalista também não domina todos os esportes, mas temos de estar preparados para tudo.

LM - O que faz para preservar a voz?
ETF - Nunca tomei nenhum cuidado! Apenas não fumo e não bebo.

LM - Como vê a disputa pela transmissão do futebol brasileiro em 2012? Acha certo um regime monopolista?
ETF - É uma triste página da televisão e do nosso futebol. Infelizmente muitos interesses estão por trás desses direitos. Só tenho que lamentar!

LM - Para os estudantes de jornalismo ou jornalistas recém-formados que pensam que o jornalismo é só televisão e que vão ficar famosos, o que tem a dizer? E o que falaria para aqueles que pensam que não vão trabalhar muito e nem aos finais de semana?
ETF - Jornalismo é pra quem gosta de jornalismo. Tem que ter a notícia na veia! Tem que pensar em jornalismo o tempo todo. Esquecer feriados, Natal, Ano Novo... festinhas de família. Agora quem pensa que vai ficar famoso ou ganhar dinheiro tem que buscar outra profissão. Jornalismo é por prazer a amor à profissão.

LM - O que gostaria de fazer na carreira e ainda não conseguiu realizar?
ETF - Graças a DEUS realizei muitos sonhos na carreira. O principal foi ser repórter esportivo.Hoje não sonho, apenas alimento os desafios... e são muitos.

TINO MARCOS É A REFERÊNCIA JORNALÍSTICA DE TCHALIAN

LM - Você acha que um jornalista esportivo deve assumir seu time de coração?
ETF - Enquanto ele estiver trabalhando como jornalista esportivo não deve revelar nem por tortura. Sofremos muito nos estádios por conta de algumas pessoas intolerantes, que não chamo de torcedores. Eles descontam em você quando o time não está num dia feliz. Já levei cusparada na cara, fui ameaçado de agressão, expulso de quadra de torcida... isso tudo sem revelar meu time, que, aliás, todo jornalista tem! Mas sempre fui profissional, nunca misturei a paixão com a profissão.

LM - Quem são os jornalistas e/ou profissionais da comunicação que mais admira?
ETF - No esporte o Tino Marcos pra mim é insuperável, referência de texto, criatividade, postura. (Nota do blogueiro: concordo em gênero, número e grau!) Admiro também o Pedrinho Bassan, excelente pessoa e texto brilhante.

LM - Tem alguma história curiosa ou engraçada da profissão?
ETF - Histórias são muitas. Momentos engraçados, incontáveis. Já passei por maus bocados por causa de um amigo cinegrafista que não consegue conter o riso em velórios. Pior que ele resolveu rir enquanto eu gravava com o filho do falecido. Você imagina a saia justa? Quase perdi a concentração numa entrada ao vivo quando o auxiliar de câmera começou a desfilar na minha frente. E, num ao vivo do Corinthians, fui chamado quando a equipe ainda fazia os últimos acertos e entrei no ar sem o microfone. Graças a DEUS uma ágil produtora me entregou o microfone enquanto eu aparecia balançando a cabeça fingindo que estava ouvindo a pergunta... foi tenso mas deu certo!

LM - É possível conciliar família e trabalho?
ETF - Ou você concilia trabalho e família ou você não constitui família. Não tem outra opção. No meu caso, sempre procurei dividir bem as coisas. Sou casado e tenho dois filhos.

LM - Deixe uma mensagem para quem pensa em seguir carreira  no jornalismo.
ETF - Jornalismo é paixão, envolvimento, entrega. Ser jornalista é um privilégio. O que o mundo vê pela tv, pelos jornais... o jornalista testemunha com seus próprios olhos. Por isso, recomendo que somente siga essa honrosa carreira quem realmente tem a notícia na veia. Não faça jornalismo como segunda opção, o jornalismo tem que ser prioridade em sua vida. No jornalismo a disputa é grande, mas sempre tem lugar para os persistentes. Aliás, a persistência deve ser uma ferramenta do jornalista. Nunca se contente com o básico, busque sempre algo mais!

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

A máquina do repórter-cinegrafista

  Bolex 16 mm Reflex
repórter-cinegrafista, na década de 60, normalmente cobria sozinho, para os noticiários da TV -  inclusive por razões econômicas - aos eventos mais espetaculares: as brigas nas ruas, os tumultos, os incêndios, as solenidades, os acidentes, as chegadas das celebridades nos aeroportos, as convulsões sociais, os discursos, os lances cruciais dos jogos de futebol, as marchas nos desfiles oficiais. Imagem externa documentava-se em película P&B.
Os filmes dos repórteres antecederam a utilização do vídeo-tape em câmeras portáteis. Eles faziam as imagens, escreviam as matérias, revelavam os filmes em negativo, secavam rudimentarmente as películas com fogo e álcool,  e identificavam as cenas e as personagens filmadas, ainda em negativo, para os redatores finais das notícias que entravam no ar em minutos. Adrenalina pura. Um tempo de infraestrutura incipiente e de grandes talentos que não podiam errar nunca (e gravar novamente - isso era impossível - não havia tempo, filmes nem recursos para tal luxo).
A câmera Bolex 16 mm Reflex foi uma dessas companheiras dos pioneiros das imagens, os loucos e intrépidos repórteres-cinegrafistas que alimentavam a TV dos primeiros tempos. Muitas dessas histórias absolutamente inacreditáveis (mas documentadas em preciosos filmes para comprová-las) foram narradas em longo depoimento gravado por Nelci de Castro, o Leka, a quem pertence a câmera fotografada. Essas histórias estarão presentes no livro dos Televisionários.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

“A vida de um jornalista”


Mário Renato Gomes Marona
Com larga experiência na chefia de equipes de reportagem, o jornalista Mario Marona, em sua página no Facebook, também se manifestou:
“Já comprei brigas que não queria em situação equivalente, mas vou repetir o que penso: a emissora que manda um cinegrafista cobrir um confronto entre policiais e bandidos “protegido” por um colete de imprensa apenas à prova de tiros de revólveres é responsável, também, pela morte dele. É possível – e não afirmo que é certo para não cometer uma injustiça – que Gelson Domingos estivesse vivo, agora:
1 – se fosse orientado a não se aproximar do conflito, ficando à distância segura, mesmo que isso prejudicasse um pouco a qualidade das imagens.
2 – se, orientado a filmar de longe, recebesse a ordem de fazer de perto apenas o rescaldo da operação depois do tiroteio, quando houvesse mais segurança para o trabalho dos jornalistas no local.
3 – se algum chefe experiente e menos ansioso dissesse a ele e a toda a equipe que estas imagens, anda que chocantes, não valem a vida de um jornalista e, portanto, não são assim tão necessárias.
4 – se as emissoras concluíssem, como deviam, que seus jornalistas não estão cobrindo a guerra do Vietnã ou do Iraque porque, se estivessem, teriam seguro de vida, usariam uniforme especial, estariam sob proteção das Forças Armadas do país cuja ação estivessem acompanhando e teriam, enfim, tantas imagens e tão ricas que poderiam ser feitas à distância segura.
5 – se as emissoras e os jornalistas parassem para avaliar se vale mesmo a pena botar a vida de um profissional em risco para conseguir meia dúzia de sobe-sons de tiros apenas para obter mais alguns pontinhos no Ibope.
6 – se todos os chefes que mandam estes jornalistas buscar imagens sem tanta importância com o risco de suas vidas fossem, eles próprios, de vez em quando, aos locais dos conflitos, para ver o que é bom pra tosse”.

Mário Marona: “E24 é lição de jornalismo, Profissão Repórter é síntese dos piores defeitos.”



Por Mário Marona
Globo e Band puseram no ar no mesmo horário, na noite de terça-feira, programas jornalísticos com algumas semelhanças:
ambos adotam linguagem diferente do telejornalismo tradicional praticado no Brasil,
  • ambos se esforçam por abordar com alguma profundidade, coisa rara em televisão, a vida das pessoas escolhidas como protagonistas,
  • ambos, além disso, têm um estilo de reality show.
No entanto, se têm analogias importantes, E24 (Emergência 24 horas), da Band, e Profissão Repórter, da Globo, distanciam-se num aspecto fundamental: o primeiro é muito bom, o segundo é sofrível.
E24 é uma lição de telejornalismo.
Profissão Repórter é uma síntese dos piores defeitos do telejornalismo brasileiro.
O programa da Band, feito pela produtora Quatro Cabezas, segundo formato adotado em outros países latinos, poupa o telespectador do superficial, do dispensável, da frivolidade típica da televisão. Os personagens predominam. Agem, correm, se estressam, desabafam, se emocionam, choram – e fazem tudo isto com uma naturalidade que dispensa a presença física do repórter. A reportagem está lá, o tempo inteiro, em cada take. O repórter, não. Não há contraplanos, não há passagens. A produção não interfere na cena. O que se vê na tela é documentário em estado puro, sem artificialismos.
Profissão Repórter é o oposto. Os repórteres SÃO o programa. A importância da reportagem parece ser medida pela quantidade de vezes que o repórter terá oportunidade de aparecer. Nele, quem mais fala, ri, se emociona e participa é o repórter. O jornalista é o dono da cena. Há lugar até para metalinguagem: o repórter rouba o tempo do entrevistado e, na cena seguinte, tem o seu tempo roubado pelo diretor, Caco Barcellos. Em casa, somos obrigados a assistir à bronca quase constrangida do “professor Caco” no jovem repórter que, segundo o site do programa, tem como qualidade importante no currículo o fato de ser ator. Deve ser por isso que ele ria mais do que o Carlos Nascimento lendo notícia ruim.
A Globo já proibiu a presença de repórter dentro de salas de cirurgia. Nos velhos tempos, passagem gravada em locais que exigem perfeita assepsia era considerada invasiva, exagerada, desnecessária. Esta época já passou.


O exibicionismo venceu.
Um diretor maluco da Globo já quis mandar o helicóptero da empresa para salvar um suicida. Foi demitido, duas vezes.
Hoje, seria promovido por botar no ar a reportagem perfeita: com âncora, repórter e nenhuma fonte de informação.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Repórter cinematográfico

A sua importância na TV
Quem é o melhor? Qual a contribuição dele para a sua carreira, matéria, passagem, etc? Que aventuras vocês passaram juntos?
Este tópico é para homenagear o cara que te ajuda todo santo dia e que pouca gente reconhece como absolutamente valoroso para o trabalho de um repórter.
Como disse Luis Ceará um dia (para mim): "São gênios! Sem eles, nós, repórteres, não somos nada!"
Eu concordo 100% com o Ceará. E você?

Cinegrafista da Band é baleado e morre em operação policial no Rio

Gelson Domingos, que também trabalhava na TV Brasil, usava um colete à prova de balas, mas o projétil ultrapassou a proteção. Para a presidenta do sindicato, Suzana Blass, a morte do cinegrafista foi uma tragédia anunciada, porque os coletes fornecidos pelas empresas de comunicação não resistem a tiros de fuzil. Ela disse que o sindicato pode recorrer à Justiça para obrigar a Bandeirantes a amparar afamília de Domingos.

 “Isso [o colete] é uma maquiagem. Os coletes não oferecem segurança para o profissional porque não protegem contra os tiros de fuzil, a arma mais usada pelos bandidos e também pela polícia no Rio. E as emissoras só dão o colete porque a convenção coletiva de trabalho estabeleceu que o equipamento é obrigatório em coberturas de risco”.
Suzana Blass disse que o sindicato propôs às empresas de comunicação a criação de uma comissão de segurança para acompanhar a cobertura jornalística em situações de risco, mas que a proposta não foi aceita. “Sabemos que as condições oferecidas são precárias, mas as empresas alegam que a comissão seria uma ingerência no trabalho delas e que iriam sugerir um outro formato, mas até agora nada ofereceram”.
“Também já pedimos que as empresas de comunicação façam um seguro diferenciado para as coberturas de risco, mas elas responderam que já protegem seus funcionários e classificaram a proposta do sindicato como uma interferência em seu trabalho”, acrescentou Suzana.
Outro problema, segundo ela, é que muitas empresas contratam operadores de câmera externa para exercer a função de repórter cinematográfico, porque os salários são menores, o que acarreta em prejuízos no resultado do trabalho.
Para Suzana Blass, além da falta de condições de trabalho, o profissional de comunicação convive diariamente com uma questão cultural, pois está sempre em busca da melhor imagem. “Com isso, ele acaba aceitando o trabalho sem pensar no risco que vai correr, sem pensar na necessidade de se prevenir contra os acidentes e também para não ficar com fama de “marrento” caso se recuse a cumprir a pauta”.
Pela TV Brasil, o cinegrafista Gelson Domingos e o repórter Paulo Garritano ganharam, no ano passado, menção honrosa na 32ª edição do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, na categoria TV Documentário, com a série sobre pistolagem no Nordeste, exibida no programa Caminhos da Reportagem.


segunda-feira, 21 de março de 2011

Preconceito intelectual



O preconceito intelectual de alguns jornalistas em relação aos colegas da linha de frente

Uma profissão à espera de reconhecimento bombardeios nas torres gêmeas, guerra no Iraque, Tremor na África , o suplício da ave morrendo pelo derramamento de óleo no estado unidos, seqüestro em Santo André.Imagens que ficam para sempre em nossa memória. Imagens, marcantes ou não, são a essência, a razão de ser da televisão que está em todos os lares, em todas as partes. Imagens que não nascem do nada, não são registradas ao acaso por "apertadores de botão". Elas são frutos do trabalho, da persistência, da coragem e da sensibilidade dos homens de frente da TV e Jornal: Os repórteres cinematográficos e repórter fotográficos. Uma boa reportagem de TV não depende, necessariamente, de um repórter, produtor ou editor; um documentário pode ser uma aula de jornalismo sem um apresentador, mas em televisão, nada existe sem o registro do repórter cinematográfico. 

A importância deles, no entanto, está longe de ser reconhecida pelas chefias e, até, por muitos colegas de jornalismo que nada seriam sem a fita cheia de vida e verdade que os cinegrafistas trazem religiosamente para as redações. Em vez de serem estimulados a participar da discussão da pauta que irão cumprir cada vez mais os cinegrafistas são afastados das redações, desestimulados a participarem do processo. O motivo pode ser algum destes: pressa, desinteresse da chefia, falta de hábito ou confiança. O que fica velado, escondido muitas vezes, é o preconceito intelectual de alguns jornalistas em relação aos colegas da "linha de frente", repórteres cinematográficos forjados pela entre aspas "faculdade da vida", sem chance de discutir teoria nos caros bancos universitários. 

Com mais de 20 anos de jornal eu falo com experiência: Nenhuma das boas (podem não ser muitas..) reportagens que foram feitas existiriam sem que, do outro lado, estivessem um grande repórter cinematográficos ou repórter fotográfico. Exemplos, não faltam: o cinegrafista Louro, Iran Andrade, Wagner Santos, josé Alves Filho, Moises Saba, Assis Fernandes,Francisco Gilásio e outros, passaram por várias situações, mas não deixaram de registrar momentos difíceis; invasores de terras do Alto da Felicidade, fome e miséria. Não perdeu o foco enquanto e nem choravam ao registrar a fome das crianças. Em situações como estas, repórteres e cinegrafistas são mais que irmãos: partilham do mesmo pulsar de coração. 

Na década de 80 (oitenta), as equipes de externa eram compostas de 5 (cinco) pessoas, hoje, no máximo por três; muitas vezes só pelo cinegrafista e pelo repórter. Há 20 anos, o salário dos bons cinegrafistas eram os mesmos dos repórteres; hoje não chegam à metade. E a imagem continua sendo o único item imprescindível na TV. De minha parte, reforço o agradecimento aos companheiros e amigos cinegrafistas de jornadas duras e quase nunca reconhecidas e me atrevo a sugerir, aos jovens companheiros jornalistas, que procurem conhecer um pouco mais o colega jornalista cinematográfico que está ao lado; ele certamente tem muito a acrescentar no trabalho de hoje e em experiência profissional para o resto da vida. TV sempre foi e será um trabalho de equipe. 

José Alves Filho 
Pres. da arfoc-Pi 
Repórter Fotográfico do JMN

Cinegrafistas sofrem todo o tipo de discriminação.

No jornalismo, os cinegrafistas sofrem todo o tipo de discriminação e preconceito. Eles são os “negros” da nossa classe. Não gostamos de reconhecer as nossas próprias injustiças. Em alguns casos, a autonomia ou liberdade profissional dos cinegrafistas deve  ser “vigiada”. Essa semana, ao pesquisar o tema, me deparei com esse exemplo de paternalismo e discriminação em relação ao papel do cinegrafista no telejornalismo:

As imagens são o principal na composição da matéria do repórter. Elas vão dar suporte à narrativa cronológica do acontecimento (off). Uma observação: estar atento à captação de imagens, não quer dizer que o cinegrafista deva ser "vigiado" ou "orientado" pelo repórter. Não se pode esquecer que ele é um profissional com talento suficiente para conduzir a captação de imagens. Além disso, o cinegrafista tem o mesmo objetivo do repórter: registrar o acontecimento e fazer com que ele chegue ao ar sem problemas.


Perceberam? É preciso recomendar aos alunos de telejornalismo que cinegrafista não deve ser vigiado ou orientado. Essas recomendações parecem muito com as recomendações que as donas de casa costumam fazer sobre suas empregadas domésticas.

Profissionais da imagem

Muitos colegas se recusam a admitir que aqueles sujeitos simples, de origem humilde, carregando peso também são “jornalistas”. Eles não só compartilham os objetivos da reportagem como ensinam as novas gerações de jornalistas de TV os principais segredos da profissão. Para aqueles que se dispõem a ouvir e aprender, eles oferecem dicas práticas fundamentais. Mas apesar da importância dessa categoria, a injustiça contra os cinegrafistas persiste em nossas redações.

Deveríamos apoiar essa luta dos nossos profissionais de imagem pelo crédito merecido. É uma questão de direito. E também deveríamos condenar e ficar atentos as possíveis “represálias”. Os profissionais de imagem trabalham sempre em condições difíceis.  Além dos riscos inerentes à própria profissão, sofrem sérios problemas de saúde ao utilizarem equipamentos pesados e obsoletos.

“Ritmo estressante, repetitividade de tarefas, longas jornadas e condições precárias de trabalho têm produzido uma avalanche de casos de afastamento de jornalistas por causa de doenças profissionais. Na grande maioria dos casos, o diagnóstico é o mesmo: Lesões por Esforços Repetitivos (L.E.R.), adquiridas no ambiente de trabalho e provocando conseqüências para o resto da vida.”

E essa e somente uma das muitas doenças que afetam os profissionais de imagem. O problema é grave e merece a nossa atenção.

Serviço Prestado -TV O POVO


video video